Logon

Escola

Em cada nome uma história

O Projeto denominado “Escola – Em cada nome uma história” pretende buscar a identidade dos patronos das Escolas Públicas Estaduais de Goiás, numa busca pelo reconhecimento, por parte da comunidade escolar e da sociedade em geral, aos baluartes que fizeram de suas vidas um ideário de trabalho em prol do outro e que, por esse motivo, foram perpetuados, intitulando instituições de ensino. Saiba mais...
história

Col. Est. Jarbas Jayme

Col. Est. Jarbas Jayme

Na bela e poética cidade de Pirenópolis, antigo Arraial de Meia Ponte, existe o Colégio Estadual Jarbas Jayme, localizado no centro da cidade, dirigido pelo professor Reginaldo Barbosa de Souza, subordinado a Subsecretaria regional de Educação de Anápolis.

Jarbas Jayme foi um grande intelectual, um homem notável. Nasceu em 19 de dezembro de 1895, na fazenda denominada "Água Limpa", no município de Pirenópolis, filho de Sizenando Gonzaga Jayme e Eugênia Goulão. Fez os primeiros estudos em sua terra natal com os professores Joaquim Propício de Pina ( Mestre Propício), José Avelino e Ana das Dores Brandão.

Também fez o curso secundário no arraial de Ouro Fino, município de Goiás, antiga capital do Estado, no velho Seminário de Santa Cruz. Ali, ampliou os profundos conhecimentos que possuía de história, geografia, português, latim e francês, língua que falava fluentemente. Por influência de Dom Prudêncio Gomes quase seguiu carreira religiosa, mas por fim desistiu por falta de vocação. Em 1915 casou com Maria Dinah Crispim Jayme, nascida também em Pirenópolis.

Em 1923, passou a residir na cidade de Anápolis. Inicialmente, exerceu o comércio, que logo abandonou para dedicar-se a outras atividades mais consentâneas com o seu preparo intelectual. Em Anápolis, durante mais de dez anos, exerceu o magistério e inúmeras funções públicas relevantes. Depois mudou-se para Bonfim de Goiás, hoje Silvânia, cidade em que viveu por dois anos e foi Fiscal Geral do município, assim como professor no Ginásio Arquidiocesano Anchieta.

Mais tarde mudou-se novamente para Pirenópolis onde foi professor e funcionário público municipal. Em seguida mudou-se para Palmeiras de Goiás onde foi professor, funcionário público e Prefeito Municipal por duas vezes. Em 1951 transferiu para Goiânia onde foi chefe de polícia e Secretário de Segurança Pública.

Sua grande paixão era a pesquisa, a história, a genealogia e o jornalismo. Por cerca de quarenta anos ininterruptos dedicou-se a esse tipo de trabalho. Produziu centenas de artigos não só para jornais do Estado de Goiás e Minas Gerais.

Também foi colunista constante da Revista Genealógica Brasileira, de São Paulo, como sócio e conselheiro efetivo do Instituto Genealógico Brasileiro. Era membro do Instituto Histórico e Geográfico de Goiás, porém, apesar de insistentes convites, jamais concordou em concorrer a uma cadeira na Academia Goiana de letras, que lhe tributou justa homenagem póstuma, instituindo a cadeira nº 34 de que é patrono.

Publicou várias obras: Cinco Vultos Meiapontenses, retrato biográfico de pirenopolinos ilustres; Do Passado ao Presente, genealogia de importantes troncos familiares goianos, Vale Seis, obra de crítica genealógica sobre a origem dos Fleuris; Anedotário Meiapontense, chistes e piadas que retratam a vivacidade mental e a presença de espírito da gente pirenopolina; Esboço Histórico de Pirenópolis, em dois volumes; Famílias Pirenopolinas, em cinco grandiosos volumes, onde fez o levantamento linhagístico total de mais de cem famílias de origem meiapontense; Os Sumos Pontífices, trabalho histórico sobre os papas, a partir de São Pedro e História das Casas de Pirenópolis, com farta documentação fotográfica.

Jarbas Jayme ainda mantinha intensa correspondência com amigos e parentes, colegas de imprensa, historiadores, linhagistas e políticos, de Goiás e de vários pontos do País. Passou a residir em Pirenópolis a partir de 1955 e era uma referência cultural para a cidade.

De seu casamento com Maria Diná Crispim Jayme, deixou os seguintes filhos: José, Sisenando, Jarbas, Célia, Tasso, Paulo, Haidèe e Décio. Enviuvando-se, casou com sua prima Dailde de Araújo Goulão, com quem teve Fábio, Eugênia e Celestina. Teve ainda Lázara Fernandes, que sempre reconheceu como sua filha.

Faleceu o professor Jarbas Jayme, na madrugada do dia 21 de julho de 1968, no Hospital Evangélico de Anápolis. Foi sepultado em Pirenópolis.

Devotado ao amor por sua terra, a antiga Meia Ponte, Jarbas Jayme merece todo o reconhecimento da gente goiana em todas as gerações.

 

Bento Alves Araújo Jayme Fleury Curado. Graduado em Literatura e Linguística pela UFG. Pós-graduado em Literatura Comparada pela UFG. Mestre em Literatura e Linguística pela UFG. Mestre em Geografia pela UFG. Doutorando em Geografia pela UFG. Fundador da Academia Trindadense de Letras. Membro do Instituto Histórico e Geográfico de Goiás. Membro da Associação Goiana de Imprensa. Membro da Academia Itaberina de Letras (Itaberaí). Membro da Academia Catalana de Letras (Catalão). Membro da Academia Jataiense de Letras (Jataí). Membro da Academia Palmeirense de Letras (Palmeiras de Goiás). Membro da Academia de Letras de Campo Formoso (Orizona). Membro da Academia Belavistense de Letras (Bela Vista de Goiás). Professor da Faculdade Aphonsiano de Trindade. Foi Professor da UEG- Pólo Trindade. Professor da Rede Municipal de Ensino de Trindade. Servidor da Subsecretaria Regional de Educação de Trindade. Foi Professor Substituto da Faculdade de Letras da UFG. Colaborador dos jornais O Popular, Diário da Manhã, Informativo trindadense, o Comunitário trindadense, O Comunitário de Palmeiras de Goiás e o Vilaboense (Cidade de Goiás). Publicou os livros: Ser (tão) goiano (Contos); Beco dos aflitos (Crônicas em parceria com Lúcio Arantes); Saga de um povo de fé no coração do Brasil (História de Trindade, em parceria com Antonio Alves de Carvalho); Do Barro Preto ao Planalto (crônicas, em parceria com Lucio Arantes); Hélio de Britto e Célia Coutinho (Biografia), A sempre-viva Amália (biografia), Coração de terra (poemas) e Ereny Fonseca de Araújo: O centenário em páginas de amor e de saudade (biografia).